A torpe sociedade onde nasci

Novembro 27, 2006 at 10:27 pm Deixe um comentário

Este é um dos muitos poemas que consistem o livro de António Aleixo, Este livro que vos deixo, amavelmente me oferecido pelo meu grande amigo Eduardo, e pelo Ricardo e muitos outros. Para ler com atenção.

PARTE I

Ao ver um garoto esfarrapado,
Brincando numa rua da cidade,
Senti a nostalgia do passado,
Pensando que já fui daquela idade.

Que feliz eu era então, e que alegria…
Que loucura a brincar, santo delírio…
Embora fosse mártir, não sabia
Qua o mundo me criava p’ra o martírio!

Já quando um homenzinho, é que senti
O dilema terrivel que me impôs
a torpe sociedade onde nasci
– De ser vítima humilde ou ser algo atroz

Entry filed under: Poemas do Mundo. Tags: .

Não quero, não Adiamento

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed



Folhetim Cultural e artístico de Lisboa, Divulgação Cultural
Facebook

Poemas do mundo

Poemas do meu Mundo que ardem vivos em meu olhar que no coração escavam bem fundo e que não o deixam pulsar...

  • 890,912 visitas

%d bloggers like this: