Não quero, não

Novembro 14, 2006 at 3:17 pm 5 comentários

Não quero, não

Não quero, não

Não quero, não quero, não,

ser soldado nem capitão.

Quero um cavalo só meu,

seja baio ou alazão,

sentir o vento na cara,

sentir a rédea na mão.

Não quero, não quero, não

ser soldado nem capitão.

Não quero muito do mundo:

quero saber-lhe a razão,

sentir-me dono de mim,

ao resto dizer que não.

Não quero, não quero, não,

ser soldado nem capitão.

Eugénio de Andrade

Anúncios

Entry filed under: Eugénio de Andrade.

O Palácio da Ventura A torpe sociedade onde nasci

5 comentários Add your own

  • 1. mariana  |  Maio 27, 2008 às 6:32 pm

    esta musica é para imprimir

    Responder
  • 2. Mariana  |  Maio 27, 2008 às 6:34 pm

    Eugénio de Andrade não quero, não
    Para imprmir

    Responder
  • 3. Fernando Figueiredo  |  Abril 14, 2012 às 9:29 am

    o teu poema tem tanta expressividade e fica excelente o não como uma anáfora.Adorei, espero que continues.

    Responder
  • 4. literalmente vossa  |  Abril 6, 2015 às 2:45 am

    Se há poemas que marcam a nossa vida, este foi um deles para mim.

    Boa escolha!
    Só uma coisinha: o poema tem mais ênfase com as estrofes separadas, porque se consegue compreender melhor os “nãos” e dar ainda mais ritmo (espero que não leves a mal e que continues com o bom gosto 😉 )

    Para que possas deixar também uma crítica à critica deixo o meu blog:
    passeiospeloamanha.blogspot.pt

    Responder
  • 5. dseqrgregrhth  |  Fevereiro 19, 2017 às 9:03 pm

    seus filhos da puta sou mais velho que voces. Já vi poemas melhores espero que esta geracão não fique perdida.

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed



Folhetim Cultural e artístico de Lisboa, Divulgação Cultural
Facebook

Poemas do mundo

Poemas do meu Mundo que ardem vivos em meu olhar que no coração escavam bem fundo e que não o deixam pulsar...

  • 983,754 visitas

%d bloggers like this: