A Sílaba

Setembro 2, 2006 at 11:35 pm 2 comentários

Toda a manhã procurei uma sílaba.

É pouca coisa,é certo:uma vogal,
uma consoante,quase nada.
Mas faz-me falta.Só eu sei
a falta que me faz.
Por isso a procurava com obstinação.
Só ela me podia defender
do frio de janeiro,
da estiagem do verão.Uma sílaba.
Uma única sílaba.
A salvação.
de Ofício de Paciência.

Entry filed under: Eugénio de Andrade, Poemas do Mundo. Tags: .

O Objecto Como se a Pedra

2 comentários Add your own

  • 1. alef  |  Novembro 14, 2007 às 10:44 pm

    isso é uma besteira!!!!!!KKKKKKK!!!!

    Responder
    • 2. L  |  Maio 19, 2012 às 5:08 pm

      Isso não eh besteira..eh a opinião do cara e deve ser respeitada..eu tmbm n gosto de poesia eu acho meio wtf e estranhas e penso ” oq esse cara fumo?” mas eh o que ele pensa…e isso tem q ser respeitado

      Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed



Folhetim Cultural e artístico de Lisboa, Divulgação Cultural
Facebook

Poemas do mundo

Poemas do meu Mundo que ardem vivos em meu olhar que no coração escavam bem fundo e que não o deixam pulsar...

  • 890,912 visitas

%d bloggers like this: