Saudades

Janeiro 30, 2007 at 4:09 pm 1 comentário

Leva este ramo, Pepita,
de saudades portuguesas;
é flor nossa, e tão bonita
não na há outras devesas.

Seu perfume não seduz
não tem variado matiz,
vive à sombra, foge à luz,
as glórias d’amor não diz;

mas na modesta beleza
de sua melodia
é tão suave tristeza,
inspira tal simpatia!…

E tem um dote esta flor
que de outra igual não se diz:
não perde viço ou frescor
quando a tiram da raiz.

Antes mais e mais floresce
com tudo o que as outras mata;
até às vezes mais cresce
na terra que é mais ingrata.

Só tem um cruel senão,
que te não devo esconder:
plantada no coração,
toda outra flor faz morrer.

E, se o quebra e despedaça
com as raízes mofinas,
mais ela tem brilho e graça,
é como a flor das ruínas.

Não, Pepita, não ta dou…
Fiz mal em dar-te essa flor,
que eu sei o que me custou
tratá-la com tanto amor.

Almeida Garrett

Entry filed under: Almeida Garret. Tags: .

Poema da Auto-estrada Bicicleta de Recados

1 Comentário Add your own

  • 1. catarina  |  Janeiro 18, 2010 às 8:09 pm

    gosto muito dos seus poemas
    e das suas obras

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed



Folhetim Cultural e artístico de Lisboa, Divulgação Cultural
Facebook

Poemas do mundo

Poemas do meu Mundo que ardem vivos em meu olhar que no coração escavam bem fundo e que não o deixam pulsar...

  • 890,823 visitas

%d bloggers like this: