De facto já não sou eu

Dezembro 14, 2006 at 7:16 pm 2 comentários

Não minto, quando digo
que minto descaradamente
E se digo a pura verdade
Minto; como toda a gente.

Mas eu não sou mentiroso
sou verdade
na mentira,
enfim!…
Sou algo tempestuoso
Complicação
Está em mim!

Falar ouros e pratas
De facto
Não sou eu…
Ele rouba
Tu matas
Eu fui roubado
E o eu morreu

Mirro por cada palavra
Isolo-me por cada rima
Onde está o que amava
É esta a minha sina;
o meu destino;
nem menino
nem menina
nem mulher
nem homem
nem ser.

De facto
Já não sou eu
O eu que o eu vê
Que foi que aconteceu?
Onde? Como? Porquê?

De facto já não sou eu
Não tenho a postura correcta
Mas sei o que aconteceu…
Fui, sou e serei
Sempre
POETA.

Rafael

Entry filed under: Poemas do Mundo. Tags: .

Sonet XVII E assim acaba

2 comentários Add your own

  • 1. pipokas  |  Janeiro 20, 2007 às 11:37 am

    todo coco

    Responder
  • 2. ze miho  |  Fevereiro 6, 2007 às 5:53 pm

    coco es tu pa

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed



Folhetim Cultural e artístico de Lisboa, Divulgação Cultural
Facebook

Poemas do mundo

Poemas do meu Mundo que ardem vivos em meu olhar que no coração escavam bem fundo e que não o deixam pulsar...

  • 890,912 visitas

%d bloggers like this: